10 de fev de 2013

Reflexão


Não tenho medo de cair
Não tenho medo de voar
Já me acostumei a levar tombos
E caindo aprendi a levantar


Não cortarei os meus pulsos

Na mais profunda depressão
Nao acreditarei em promessas
Pois ja sofri desilusão


Enquanto o sangue pulsar em minhas veias

Enquanto o meu coração bater
Nao viverei de regras
E não deixarei de viver.


Um comentário:

  1. Belíssimo paradoxo do que é a vida. Um mar de barbáries mesclado com alegria. É foda, mas apesar dos pesares, a vida deve ser levada com alegria. Olhando sempre pra frente! Belo poema.

    ResponderExcluir