4 de out de 2011

Inconsequencia

Eu sentada no meio do nada
Tentando reconstruir
Olhando para o chão e catando os pedaços
Que você deixou cair

Não adianta jogar pedra
Nao adianta atirar
Porque nada me machuca
Nada me desmanchará

Nem que eu ainda fique cega
Nem que eu morra devagar
Daqui eu não me levanto
Quero ver me levantar

Minha vida agora é amarga
Minha vida agora é escura
Nada me trará de volta

                             Minha doença não tem cura.                                                   
                                                           

Um comentário:

  1. Pois é, as vezes me sinto assim também até amar uma vez mais...
    (J.)

    ResponderExcluir